sexta-feira, 8 de março de 2013

Débora Arango


Débora Arango (11 de novembro de 1907, 4 de dezembro de 2005) foi uma artista colombiana, nascida em Medellín, na Colômbia. Embora tenha sido essencialmente pintora, Débora também trabalhou em outras mídias, como a cerâmica e a arte gráfica. Ao longo de sua carreira usou sua arte para explorar muitas questões, com conotação política e controversa. Seus assuntos que vão de mulheres nuas, até o papel da Igreja Católica Romana para as ditaduras.

A sua primeira exposição de arte foi em Medellín, numa idade bastante jovem, treze anos. De 1920 a 1950, estudou artes plásticas e pintura em diversas instituições, incluindo o Instituto de Bellas Artes (Medellín, Colômbia ), "La Esmeralda" (Cidade do México, México), e a Escuela Nacional de Bellas Artes. Arango voltou ao Instituto de Bellas Artes, em 1959, como um instrutora.


Ao longo de uma carreira que se estendeu por quase oito décadas, Débora consistentemente desafiou a tradição e provocou polêmica em suas obras. Foram suas pinturas de nus femininos que primeiro instigaram debate. Rotulado como obsceno pela Igreja Católica, eles também foram rejeitados pelos artistas e público. O papel da mulher na sociedade é um tema central em sua obra. Ela representa em seus quadros imagens de mulheres que não eram normalmente vistas, como prostitutas ou mulheres na prisão.


Em 1944, Arango se juntou a um grupo de artistas que, semelhantes aos muralistas mexicanos da época, foram enfatizando a importância da arte pública, em murais, que eram acessíveis a todos. Este grupo escreveu um manifesto de suas idéias que eles apresentaram como "Manifiesto de los Independientes", enfatizando seu desejo de usar a arte para esclarecer o público. Ela também foi uma das primeiras pessoas a usar sua arte para desafiar ocorrupto governo colombiano. Nos anos 1950 e 60, um período chamado de "La Violencia" estava acontecendo na Colômbia. Como o título sugere, a violência era predominante, e o governo foi diretamente responsável por ela.


Déora doou 233 peças de seu trabalho artístico para El Museo de Arte Moderno de Medellín, em 1986. Em 2003 ela foi premiada com a Cruz de Boyaca, a mais alta homenagem na Colômbia. Morreu em 14 de dezembro de 2005, aos 98 anos de idade, e só parou de trabalhar alguns anos antes de sua morte, quando seu corpo simplesmente não mais permitir que ela pintasse.




































Um comentário: