terça-feira, 12 de junho de 2012

Marietta Maria Baderna



Nascida na Itália, em 1828, na cidade de Piacenza, filha do médico e músico Antônio Baderna, Marietta foi aluna do coreógrafo Carlo Blasis. Estreou aos 12 anos em sua cidade natal, e logo integrava a companhia de dança do teatro Scala de Milão. Nessa época a Itália estava fervendo politicamente, buscando a unificação, e ocupada pela Áustria. Marietta era militante, seguidora de Giuseppe Mazzini, e obedecia a ordem da diretiva revolucionária de não participar da vida artística enquanto os austríacos estivessem na Itália.

Por perseguição politica, exilou-se com o pai no Brasil, em 1849. Se estabeleceram no Rio imperial, e Marietta fez um sucesso danado no palco, conquistando o público do Teatro São Pedro de Alcântara. Talentosa, de espírito rebelde e contestador, arrebatava o coração dos jovens "badernistas", que era um grupo criado por fãs em homenagem a ela. 

Segundo biógrafos, no início os cariocas usavam o termo baderna para indicar coisas muito belas. Somente depois de a dança ser considerada fator de corrupção da juventude, a palavra assume os significados atuais.

Sempre à frente de seu tempo, Baderna se interessou pelos ritmos afro-brasileiros e saiu às ruas para ver o requebrar das mulatas. Em pouco tempo foi considerada a musa do lundum, da cachuca e da umbigada, danças com movimentos bastante ousados para a época de dom Pedro 2º. Era uma estrela de grande porte, rivalizando até com as divas do canto lírico.

Interessante que sempre que os moralistas tentavam boicotá-la (diminuindo seu tempo no palco, ou a colocando em segundo plano), os badernistas protestavam, batendo os pés no chão e interrompendo o espetáculo. Ao término da apresentação, saíam do teatro batendo os pés e gritando o nome da musa: Baderna.

Havia quem dissesse que Marietta bebia demais e era viciada em absinto, além de ser muito namoradeira. Triste que seu estilo transgressor e libertário tenha perdido para o conservadorismo. Voltou com o pai para a Itália, e sua carreira entrou em decadência.

Morreu em 1870

Hoje seu nome é sinônimo de bagunça, confusão e desordem pública.


9 comentários:

  1. EXCELENTEMENTE BEM LEMBRADO!!!...EXCELENTE POST!...
    PARABÉNS!!!...

    ResponderExcluir
  2. Muito bem! As mulheres revolucionárias de hoje devem resgatar essa história...para sua época era muito difícil.

    ResponderExcluir
  3. Mais uma prostituta que detonou com a sociedade, por isso estamos hoje nesta situação decadente sendo invadido por muçulmanos, que vão colocar ordem nesta baderna. Só por ela seguir o maçom carbonário Giuseppe Mazzini, fica evidente que o meio "artístico" sempre foi usado para destruir a estabilidade social e a paz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como fala bobagem, valha-me Deus, Nossa Senhora!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  4. Adorei a história da moça. Pena que os conservadores, caretas e covardes costumam ter muito poder e nao se cansam de reprimir, oprimir e mandar pau em tudo e todos que ameaçam seu status quo.

    ResponderExcluir
  5. Pensando como essa besta Ferrari, a fabrica dessa conceituada marca de automóveis seria austríaca e não italiana. Os atuais golpistas que tomaram de assalto o poder querem fazer o inverso, voltarmos a ser o quintal dos "made in USA".

    ResponderExcluir
  6. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Cristiano buscando seus 5 min de atenção. Vamos estudar sociologia, vamos estudar história da humanindade, vamos estudar as explorações Europeia e a exploração atual do Ocidente aos verdadeiros reprimidos. Não vou te pedir respeito as mulheres e nem aos artistas, até pq, vc é reflexo da mãe que teve, da família que te formou, um bosominion com certeza! Rindo de vc, junto a sociedade que evolui e avança sempre....

    ResponderExcluir